Menu Fechar

O que e trabalho qual a contribuicao da psicologia para o trabalho?

O que é trabalho qual a contribuição da psicologia para o trabalho?

A psicologia do trabalho estuda a pessoa em seu ambiente ocupacional. Seu conceito está ligado à capacidade produção e a atividades que colaborem para o desenvolvimento. Já a psicologia organizacional estuda a empresa em seus diferentes aspectos, integrando pessoas e recursos, os quais possibilitam seu funcionamento.

Qual é a importância do psicólogo?

O Psicólogo é um guia pelos caminhos tortuosos da vida, ajudando a lidar com problemas passados para que não atrapalhem mais sua vida. Ele é o profissional que ajuda você a enfrentar os problemas da vida com mais firmeza, segurança e adquirir maior conhecimento sobre si mesmo.

Como a psicologia social do trabalho é benéfica?

Contudo, assim como a Psicologia Organizacional, a Psicologia Social do Trabalho também é benéfica para as organizações. Com evidências crescentes de que o bem-estar dos trabalhadores afeta a eficiência e a produtividade das empresas, essa área se torna essencial para empregadores e gestores.

Qual a origem da psicologia social do trabalho?

A Psicologia Social do Trabalho, assim como a Organizacional, tem suas origens no fim do século XIX e início do XX, em investigações que buscavam principalmente avaliar e classificar habilidades de trabalhadores e elevar ao máximo a sua produtividade, a partir do desenvolvimento técnicas de eficiência de produção.

LEIA TAMBÉM:   Como reformar sem sujeira?

Como você pode trabalhar na área de Psicologia Social?

Para quem gosta do ambiente universitário, essa área de atuação é muito interessante. Ao pós graduar-se em Psicologia Social, você pode trabalhar em universidades, como pesquisador e desenvolvedor de projetos na área, ou até mesmo lecionar essa disciplina para os graduandos do curso.

Quem é o profissional da psicologia social?

Como já citamos acima, o profissional da Psicologia Social é responsável por estudar e analisar o comportamento de um indivíduo em suas relações sociais, desvinculando o ser humano da ideia de que ele é “um ser individual”, mas sim parte de um grupo social.