Menu Fechar

O que e regra de ouro ensino religioso?

O que é regra de ouro ensino religioso?

A chamada Regra de Ouro da conduta moral — não faça aos outros o que não quer que façam a você — enunciada nos Evangelhos e em formas semelhantes em textos de outras religiões como o islamismo, budismo e hinduísmo, retomada por pensadores ao longo dos anos, é uma espécie de régua, referência do modo como nos …

Quem criou a regra do ouro?

Confúcio
Confúcio, entre 551 e 479 a.C., ao ensinar as cinco virtudes (bondade, honradez, decoro, sabedoria e fidelidade), toma a regra de ouro como guia (Analecta, 15:23, 6:28)4.

Qual a essência da regra de ouro?

Na sua essência, a Regra de Ouro não significa que deve tratar alguém exatamente da mesma forma como gostaria de ser tratado, mas sim que deve tentar imaginar a forma como essa pessoa gostaria de ser tratada e agir de acordo com esse desejo. O conceito ocorre de alguma forma em quase todas as religiões e tradição ética.

LEIA TAMBÉM:   Como se curar da dor de uma traicao?

Qual a maior simplicidade da regra de ouro?

Não há maior simplicidade do que a Regra de Ouro, ou seja: tratar os outros como gostaria de ser tratado. Também conhecida como a ética da reciprocidade. Este código ético afirma que todos temos o direito de ser tratados de forma justa, mas também temos a responsabilidade de assegurar a justiça para os outros.

Qual é a regra de ouro bíblica?

A Regra de Ouro bíblica é um comando positivo para mostrar o amor ativo, ao contrário das formas passivas e negativas. Um rápido levantamento das religiões e filosofias orientais irá expor esta inversão comum, chamada por vezes como a “regra de prata” devido ao seu comando invertido:

Por que a regra de Ouro é diferente do mandamento do amor?

A Regra de Ouro como afirmada por Jesus é radicalmente diferente por ser um comando ativo e positivo de fazer o bem aos outros, ao contrário dos comandos negativos e restritivos para não magoar. O mandamento do amor é o que separa a ética cristã da ética de cada outro sistema.

LEIA TAMBÉM:   Como esta a guerra do Iemen hoje?